Myelom-Gruppe Rhein-Main

Data da última actualização: 12 de Janeiro de 2013

Sintomas

Numa fase precoce, a doença não causa sintomas na maior parte dos doentes. À medida que a doença vai progredindo, ocorrem sintomas indefinidos, tal como diminuição da capacidade física, abatimento, fadiga, fraqueza e, mais raramente, falta de apetite, náuseas, vómitos ou perda de peso. Quanto aos seguintes sintomas, descritos segundo os sistemas de órgãos, tratam-se de complicações que surgem num estádio avançado da doença. Para uma melhor compreensão, queira ler a página "O que é o mieloma múltiplo?"

  • As dores ósseas começam muitas vezes de uma forma insidiosa, aumentando ao longo do tempo. Uma dor intensa e repentina é sinal típico de fracturas de corpos vertebrais, de costelas ou de ossos tubulares compridos.
  • As dores concentram-se frequentemente na região da coluna vertebral torácica ou lombar.
  • Muitas vezes verifica-se uma perda de altura corporal de vários centímetros. Isto deve-se a uma compressão das vértebras.
  • A concentração elevada de cálcio no sangue, causada pela destruição dos ossos, provoca uma eliminação acrescida de cálcio na urina; o volume de urina aumenta, e o corpo fica sujeito a uma desidratação. A elevada taxa de cálcio também provoca náuseas e vómitos, o que faz com que o doente perca mais líquido.
  • Em cerca de 20 % de todos os doentes, a precipitação do cálcio leva a uma piora da função renal devido à lesão dos tubos.
  • A extensão das queixas resultantes de uma alteração do perfil sanguíneo depende do volume de plasmócitos degenerados. O primeiro que se altera é a maturação dos glóbulos vermelhos. Os sintomas da anemia são palidez, fraqueza, fadiga, dores de cabeça e dificuldade de respiração, especialmente sob esforço físico.
  • À medida que a doença evolui, pode ocorrer uma diminuição dos leucócitos (glóbulos brancos) e trombócitos (plaquetas). Uma taxa baixa de leucócitos é responsável por uma pré-disposição acrescida às infecções.
  • Cerca de 20 a 25 % dos doentes sofrem de infecções repetidas, principalmente de origem bacteriana. Numa fase precoce, predominam as infecções das vias respiratórias. Uma complicação típica da doença avançada são as infecções das vias urinários.
  • A falta de trombócitos traduz-se numa tendência acrescida para hemorragias. O sangramento nasal e a perda abundante de sangue menstrual nas mulheres são sintomas típicos.
  • As alterações patológicas do sistema nervoso surgem num número muito reduzido de doentes. Quando os nervos dos braços e pernas estão afectados, podem ocorrer dores ardentes e distúrbios da sensibilidade dos membros. Mais raramente, e apenas ao fim de uma longa evolução da doença, podem ocorrer um síndroma de paraplegia com paralisias, distúrbios da sensação e incontinência.