Myelom-Gruppe Rhein-Main

Data da última actualização: 12 de Janeiro de 2013

Glossário

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

Alogénico

Do grego allos = outro, diferente. Aqui: transplante de medula óssea de um indivíduo (doador) para outro (receptor). Para ta é necessário que as medulas ósseas do dador e do receptor sejam amplamente compatíveis.

Alquilantes

Citostáticos frequentemente usados no tratamento do cancro. Os medicamentos mais conhecidos para o tratamento do mieloma são o melfalano e a ciclosfamida. O termo "alquilante" refere-se à forma como estes agentes se ligam ao DNA das células cancerosas e bloqueiam a divisão e reprodução celular.

Ambulatório

Tratamento de um doente no hospital sem ficar internado

Anamnese

Antecedentes clínicos, história clínica; informações sobre características, início e evolução das queixas (actuais) do doente que o médico questiona durante a entrevista

Anemia

Condição em que os glóbulos vermelhos, a hemoglobina ou o volume total do sangue se encontram abaixo do normal

Antibióticos

Fármacos com efeito bactericida e usados para o tratamento de infecções causadas por bactérias

Antieméticos

Fármacos usados para evitar ou aliviar náuseas e vómitos. São sobretudo usados para o tratamento dos efeitos secundários da quimioterapia e radioterapia.

Antigénio

Estruturas específicas da superfície celular de bactérias, vírus e fungos. Quando o organismo é invadido por estes agentes patogénicos, as células plasmáticas produzem anticorpos a partir dos linfócitos B

Aplasia

Em pessoas que sofrem de cancro: estado caracterizado por grandes anomalias dos elementos do sangue periférico, resultantes de uma quimioterapia e radioterapia

Assintomático

Doença sem sintomas ou queixas

Autólogo

Do grego autos = próprio, proveniente do corpo, que não vem do exterior. Aqui: transplante ou autotransfusão de medula óssea própria depois de extraída e limpa

Início de página
Biopsia

Teste de diagnóstico em que se retira tecido com um instrumento (por exemplo, cânula especial, fórceps ou bisturi) para estudo e análise microscópica. O termo refere-se à técnica de extracção (por exemplo, biopsia com agulha) ou ao local da retirada de amostra (por exemplo, biopsia de mucosa).

Bisfosfonatos

Medicamentos que, ao inibirem a actividade das células destruidoras de ossos, aliviam as dores, reduzem o risco de fracturas e suprimem as crises de hipercalcemia que implicam um risco de vida.

Blastos

Glóbulos brancos imaturos

Início de página
Células estaminais

Células-mãe que dão origem aos glóbulos vermelhos e brancos, bem como às plaquetas. Estas células encontram-se na medula óssea, como também parcialmente na corrente sanguínea. Daí podem ser removidas, preparadas e transplantadas de volta no doador (transplante autólogo) ou transplantados num receptor com HLA idêntico (transplante alogénico).

Citoquinas

Substâncias mensageiras produzidas pelo organismo, através das quais as células imunitárias comunicam entre si

Citostáticos

Fármacos que bloqueia, preferencialmente, o crescimento de células cancerosas e que, até um certo ponto, também podem destruir células normais. A destruição consegue-se frequentemente através do bloqueio da divisão das células ( quimioterapia).

Clone

Monoclonal

Cromossomas

Transportadores visíveis de informação genética/hereditária; parte constituinte do núcleo celular que pode ser marcada facilmente com uma cor intensa

Crónico

De progressão e desenvolvimento lento

Início de página
Derivados de morfina

Substâncias derivadas da morfina com efeitos semelhantes

Diagnóstico

Termo genérico que designa todos os exames que levam à conclusão sobre a doença

Dioxinas

Compostos químicos tóxicos (o mais conhecido é o chamado Seveso) que resultam de determinados processos técnicos como subprodutos indesejáveis; são extremamente insolúveis na água, volatilizam muito devagar e penetram profundamente no ambiente em partículas do solo e pó; podem causar cancro

Início de página
Electroforese

Separação de proteínas através de um campo eléctrico. Permite determinar a quantidade de proteínas mielomatosas, como também a comprovação do pico M (imunoglobina monoclonal). A electroforese aplica-se no diagnóstico e na monitorização terapêutica.

Enzimas

São proteínas do corpo humano que desempenham funções muito variados no organismo. Na mucosa gastrintestinal, no fígado, na vesícula biliar e no pâncreas produzem-se, por exemplo, misturas de enzimas que se destinam ao fraccionamento e digestão dos alimentos.

Eritrócitos

Glóbulos vermelhos, responsáveis pelo transporte do oxigénio no sangue

Início de página
Factores de crescimento

Fármacos susceptíveis de acelerar o aumento de células sanguíneas, por exemplo, a seguir a uma quimioterapia

Físico

Que diz respeito ao corpo

Fraccionamento

Aqui: repartição da administração de radioterapia em várias sessões

Início de página
Granulócitos

Subgrupo de glóbulos brancos que desempenham um papel muito importante no combate propriamente dito das infecções

Início de página
Hemoglobina

Pigmento dos glóbulos vermelhos responsável pelo transporte e a ligação do oxigénio no sangue

Hipercalcemia

Nível anormalmente elevado de cálcio no sangue; esta complicação pode ser eliminada através de um tratamento com bisfosfonatos

HLA

Acrónimo de "Human Leucocyte Antigens" ( = antigénios dos leucócitos humanos); designa certas características dos tecidos, determinadas pelo património genético. A tipificação HLA é essencial na preparação de transplantes alogénicos. Quanto maior for a semelhança entre os sistemas HLA do dador e do receptor, maior é a probabilidade de sucesso no caso de transplante de células estaminais.

Hormonas

Substâncias mensageiras que se encontram no corpo e que têm um efeito sobre o metabolismo mesmo em pequenas concentrações. Regulam processos corporais, como o crescimento, comportamento sexual ou metabolismo dos alimentos, e alcançam o local de actuação através da corrente sanguínea ou do sistema linfático.

Início de página
Imunoglobulinas

Sinónimo de anticorpos, ou seja, de proteínas que possuam as características de anticorpos. Para apoiar o tratamento de uma imunodeficiência, administram-se imunoglobulinas policlonais, ou seja, misturas de imunoglobulinas provenientes de um determinado doador. A paraproteína que ocorre nos doentes afectados do mieloma múltiplo é uma imunoglobulina monoclonal.

Incontinência urinária

Literalmente: falta de estanqueidade, aqui: incapacidade de retenção de urina, saída involuntária de urina

Infecção

Invasão e reprodução de microorganismos patogénicos no organismo

Infiltração de plasmócitos

Penetração de plasmócitos no tecido

Infusão

Introdução de um volume de líquido (por exemplo, soro fisiológico) no organismo, sobretudo através da corrente sanguínea ( intravenoso)

Interferão

Substâncias mensageiras produzidas pelo corpo através das quais as células imunitárias comunicam entre si. Podem ser hoje em dia produzidas artificialmente e são usadas no tratamento de diferentes tipos de cancro.

Intravenoso

Administração de um medicamento ou de uma substância líquida directamente na veia

Início de página
Leucócitos

Glóbulos brancos, que têm um papel principal no combate das infecções. Os leucócitos dividem-se em três subgrupos principais: granulócitos, linfócitos, monócitos. Numa pessoa saudável, o número de leucócitos no sangue é muito baixo; a maior parte dos leucócitos encontra-se na medula ósseo ou em diferentes órgãos e tecidos. Um aumento do número de leucócitos no sangue é sinal de doença.

Leucograma diferencial

Contagem diferencial dos glóbulos brancos

Linfócitos

Subgrupo de glóbulos brancos que têm um papel importante no combate das doenças e substâncias estranhas. Distinguem-se dois tipos de linfócitos: os linfócitos B e os linfócitos T. Dos linfócitos, apenas uma pequena parte circula no sangue; os restantes linfócitos encontram-se nos órgãos linfáticos (tais como o timo e o baço) onde se multiplicam.

Linfócitos B

Subgrupo de linfócitos que, nos seres humanos, amadurecem na medula óssea, nos nódulos linfáticos, no baço e nos outros órgãos linfáticos. Quando o organismo tem contacto com determinado antigénio, certos linfócitos do tipo B transformam-se em plasmócitos produtores de anticorpos ou em células chamadas linfócitos com memória. Estas células, ao entrarem novamente em contacto com o mesmo antigénio (em concurso com os linfócitos T), reactivam-se e transmitem as informações memorizadas aos plasmócitos, os quais produzem, por sua vez, anticorpos específicos ( sistema imunitário específico).

Linfócitos T

A diferenciação dos linfócitos do tipo T faz-se no timo, um órgão pequeno situado debaixo do esterno. Os linfócitos T possuem na superfície um complexo proteico capaz de reconhecer e ligar os anticorpos. O complexo proteico só reage com antigénios específicos a ele, agindo como uma chave que só cabe em determinada fechadura. Isto provoca a activação dos linfócitos T. Distinguem-se dois tipos: os linfócitos T citotóxicos, capazes de ligar as células reconhecidas como estranhas e, portanto, portadoras de antigénios, e os linfócitos T de ajuda (“helper”). Ao produzirem diferentes factores de crescimento, permitem a diferenciação de linfócitos B para células produtoras de anticorpos.

Início de página
Macrófagos

Células devoradoras de tecidos que, juntamente com os monócitos, formam o sistema imunitário contra partículas sólidas estranhas.

Maligno

Diz-se de um tumor que tem tendência a agravar-se e a disseminar-se.

Medula óssea

Tecido que preenche o interior do osso; local da produção do sangue

Mieloblastos

Células antecessoras dos granulócitos

Monócitos

Um subgrupo dos glóbulos brancos; os monócitos e granulócitos as bactérias engolindo-as. Um número reduzido de monócitos significa que o sistema imunitário não específico está fraco.

Monoclonal

Pertencente a um único ou ao mesmo clone. O mieloma múltiplo desenvolve-se a partir de um único plasmócito maligno; todas as células que dele derivam são idênticas. A célula-mãe e todas as células-filhas formam um único clone de células.

Início de página
Neutropenia

Nível anormalmente baixo de neutrófilos no sangue

Início de página
Osteoclastos, osteoblastos

Células também designadas por osteófagos ou células “devoradoras” de tecido, porque destroem o tecido ósseo. As células antagonistas dos osteoclastos são os osteoblastos, que ajudam a produzir substância óssea.

Osteólise

Local no osso onde o tecido ósseo é absorvido e destruído. No mieloma múltiplo, a destruição do tecido ósseo acontece através de uma hiperactividade dos osteoclastos.

Osteoporose

Doença do sistema esquelético em que o tecido ósseo vai perdendo a sua substância ou estrutura, tornando-se mais susceptível a sofrer fracturas

Início de página
Paraproteínas

Termo genérico usado para designar imunoglobulinas monoclonais e fragmentos de imunoglobulinas. São produzidas pelos plasmócitos e podem estar presentes no sangue em altas concentrações.

Pesticidas

Produtos químicos utilizados na erradicação de organismos nocivos das plantas

Plasma sanguíneo

Parte líquida do sangue (55 por cento do sangue) composta por 90 por dento de água e proteínas

Plasmócito

Tipo específico das células linfáticas. Os plasmócitos normais produzem anticorpos contra os microorganismos invasores, tal como os agentes infecciosos. No mieloma múltiplo ocorre uma multiplicação descontrolada de plasmócitos anormais, que produzem anticorpos atípicos e ineficientes.

Policlonal

Contrário de monoclonal; que não pertence ao mesmo clone de células

Profilaxia

Prevenção

Prognóstico

Previsão da evolução da doença

Psíquico

Que tem a ver com os processos mentais

Punção

Extracção de uma amostra de líquido dos vasos (sanguíneos), cavidades corporais, órgãos ocos ou tumores por meio de uma agulha oca

Início de página
Quimioterapia

Tratamento com substâncias químicas que têm um efeito inibidor sobre o crescimento das células cancerosas no organismo. Regra geral, o termo aplica-se à quimioterapia por meio de citostáticos, ou seja, ao combate de células anormais através do uso de fármacos inibidores da divisão celular ( citostáticos).

Início de página
Radioterapia

Tratamento de uma zona exactamente definida do corpo com radiação ionizante produzida por um equipamento especial (normalmente um acelerador linear). As zonas a irradiar são planeadas e calculadas, de forma a obter-se uma dosagem suficientemente alta na região a tratar e evitar-se, ao mesmo tempo, uma destruição de tecido normal. Distingue-se entre uma radioterapia interna (introdução secundária de elementos radioactivos) e uma radioterapia externa.

Recidiva

Recaída, recorrência de uma doença; no sentido estreito, o reaparecimento após uma cura completa

Remissão

Redução dos sintomas crónicos de uma doença; uma remissão não significa forçosamente uma cura. A terminologia clínica distingue entre uma remissão total e parcial.

Resposta imunitária

Resposta defensiva do corpo a antigénios, ou seja, corpos estranhos, como bactérias e fungos

Início de página
Sépsis

Infecção generalizada causada por microorganismos

Sintoma

Sinais de uma doença

Sintomatologia B

Existem três sintomas que surgem frequentemente em associação com doenças oncológicas: febre, suor nocturno e perda de peso. Estes três sintomas são reunidos sob o conceito de "sintomatologia B".

Sistema imunitário

Conjunto de células e proteínas que protegem o organismo das infecções por bactérias, vírus e fungos. O sistema imunitário é composto pelas barreiras da pele intacta (glândulas sebáceas e flora natural) e das mucosas (segregação de substâncias que combatem os agente infecciosos), bem como pelo sistema imunitário específico e não específico.

Sistema imunitário específico

Em relação aos agentes estranhos, distingue-se entre uma imunidade não específica inata e uma imunidade específica adquirida. Ambos os sistemas estão interligados um com o outro. Este tipo de autodefesa do corpo é apoiado sobretudo pelos linfócitos.

Sistema imunitário não específico

A resposta não específica do corpo ao agentes estranhos é assumida por fagócitos (macrófagos), monócitos e granulócitos neutrófilos. Quando ocorre uma invasão por agentes infecciosos, estas células deslocam-se ao local da infecção, absorvem os agentes infecciosos e destroem-nos.

Início de página
TAC (tomografia axial computorizada)

Técnica de diagnóstico através de raios X assistida por computador permitindo a produção de imagens em corte do interior do corpo (tomografia; imagens em corte). O computador calcula as imagens com base na absorção de raios X finos que atravessam a camada a ser examina.

Terapia

Tratamento de uma doença, processo terapêutico

Timo

Glândula situada debaixo do esterno, que faz parte do sistema linfático e do sistema imunitário do corpo

Tomografia por ressonância magnética nuclear (RMN)

A ressonância magnética nuclear é uma técnica de imageologia que usa as oscilações electromagnéticas dos componentes dos tecidos num campo magnético gerado artificialmente. Uma vez que reproduz estruturas de alta resolução no interior do corpo, fornece imagens em corte muito precisas. A técnica RMN, muitas vezes, não está indicada em doentes com "pacemakers", em doentes ansiosos ou em pessoas que só podem suportar exames de curta duração.

Transplante de medula óssea

Infusão de células estaminais extraídas da medula óssea ou do sangue periférico. Distingue-se, de um modo geral, entre transplante de medula óssea do próprio doente (transplante autólogo) e transplante de um dador estranho, normalmente de um irmão ou irmã (transplante alogénico).

Trombócitos

Plaquetas; um dos componentes principais do sangue, que produzem coágulos para fechar feridas e prevenir hemorragias fortes

Tumor

Proliferação descontrolada de células que podem ocorrer no corpo inteiro